Avançar para o conteúdo principal

Ano de eleições



Mesmo que eu fosse uma pessoa extremamente desligada das notícias do nosso país, mesmo que eu não ligasse absolutamente nada à política, mesmo que eu tivesse estado em estado de coma nos últimos quatro anos, bastava pegar no carro, andar uns minutinhos por essas estradas fora que percebia logo que estamos em ano de eleições. É obras na estrada por tudo o que é sítio. Em cada curva há uma máquina a esburacar, a pôr piso novo, a ajeitar muros e mais não sei o quê! E isto entristece-me! Saber que muitas freguesias estiveram praticamente paradas no tempo nos últimos anos e agora, que se aproximam as eleições, fazem umas obras numa estrada qualquer para tentar enganar o povo e mostrar que são muito empenhados e proativos. E com isto não estou a falar de partidos, porque em política são todos iguais. O modus operandi é o mesmo para (quase) todos!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Não fui eu"

E aos 6 meses, eis que o Sr. Benny se lembrou de aprontar das suas e fazer a sua primeira grande asneira dentro de casa. E o que é que ele se lembrou de fazer? Pois que devia estar entediado na sua vidinha de come-dorme-brinca-come-dorme-brinca que se lembrou de testar os dentes numa das pernas de madeira da mesa da cozinha!  O que me assusta agora não é a mesa da cozinha, é saber que os meses de frio e chuva estão a chegar, e ele vai passar grande parte do dia dentro de casa... E se até agora o deixava dentro de casa descansadinha da vida, sem me preocupar se ele iria ou não fazer alguma asneira, depois desta já não é bem assim... Sempre ouvi dizer que o que custa é a primeira vez: a primeira vez que arranhamos o carro novo, a primeira vez que deixamos cair o telemóvel ao chão, a primeira vez que o cão roí qualquer coisa dentro de casa... Mas eu prefiro não saber qual é a sensação uma segunda vez! Vou rezar ao santinho dos cães bem comportados e pedir que isto tenho sido uma vez sem…

Coincidência feliz e sorriso na cara

Coincidência feliz é eu estar a sair de um local de trabalho em direção a outro local de trabalho e pelo caminho, sem estar a contar e sem ser suposto, cruzar o meu carro com o carro do namorado, em plena estrada, e mandar-mos um beijinho um ao outro tal como fazem as crianças quando mandam um beijinho a alguém e sopram para que chegue a bom porto! E assim se fica com um sorriso parvo na cara e borboletas na barriga e a certeza de que tenho o homem certo ao meu lado.

Eu quero continuar a gostar de palhaços...

Namorado gosta de filmes de terror, eu não.  Namorado quer ir ver na próxima quinta-feira a estreia do filme It, eu não. Namorado negoceia dizendo que o próximo filme sou eu que escolho, eu continuo a dizer que não. Namorado diz que faz muita questão que eu vá com ele, eu não! Namorado chantageia-me com as pipocas, eu digo que não às pipocas. Namorado é persistente e eu começo a ficar sem argumentos...
Como é que eu faço perceber ao namorado que este tipo de filmes não é de todo a minha onda, que não gosto de ir para uma sala de cinema para estar sempre a saltar da cadeira ou a tapar a cara com as mãos, que não gosto de ir para casa em sobressalto e com as imagens do filme em loop na minha cabeça!
Preciso urgentemente de um bom argumento para me escapar deste massacre!
Eu quero continuar a gostar de palhaços e este filme, pelo que já fui vendo, não contribui muito para isso... Help me...

Instagram

Blogs que leio