Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens com a etiqueta trabalho

Não vás dormir que não é preciso

Ando tão absorvida por um turbilhão de ideias que hoje quando dei por mim à ida para o trabalho, ia em direção à cidade errada. O que me vale é que de manhã saio sempre de casa com antecedência e dei conta do erro relativamente cedo,  caso contrário tinha chegado atrasada ao trabalho...

Prazos

Trabalhar com pessoas que não sabem cumprir prazos é coisa que me tira do sério. Tinha uma reunião hoje às 14h em que eu ia em representação de uma das entidades em que trabalho. Nesse sentido, definimos até à passada 6f para que as pessoas me enviassem as ideias que gostariam de ver discutidas na reunião. Pois que uma das big boss me envia o seu documento a escassos minutos de começar a reunião. E depois ainda tem a lata de me dizer "Bom trabalho, tudo depende de si!". Pois claro que tudo depende de mim, quando as pessoas não cumprem com os prazos e as suas obrigações...

Dia da vitamina D

E no seguimento de dias seguidos de muito trabalho, a tarde de hoje vai ser dedicada à vitamina D, que é como quem diz, a vegetar de papo para virada para o sol, mais a minha irmã. O que eu ansiava por uma tarde assim...

A desfalecer

É assim que me sinto, a desfalecer. À medida que o trabalho aparece em catadupa esta semana, a ansiedade sobe em dobro, o sono reduz para metade e a irritabilidade aumenta exponencialmente. Sei que consigo dar conta de tudo e espero conseguir cumprir com todos os prazos (mesmo aqueles um pouco irrealistas), mas esta semana o trabalho parece que surge por geração espontânea. E o pior é que as pessoas pedem-me tudo em cima da hora mas querem as coisas "para ontem".  Já não tinha memória de uma semana assim, este caos só costuma aparecer em Dezembro, nessa altura já estou preparada, não me comprometo com coisas que me roubem energia e tempo desnecessário e toda a minha atenção está focalizada. Agora ser apanhada assim, no meio de tantos prazos que caíram de pára-quedas, logo na semana em que me inscrevi em mais um curso de dois dias... logo esta semana que tenho um aniversário importante... logo esta semana que até o fim-de-semana já está preenchido com trabalho... Esta semana…

Poliglota

Eu devo saber falar Mandarim e ainda não me tinha apercebido disso. Eu já tinha algumas suspeitas depois de algumas interações com as estagiárias lá do serviço onde trabalho mas hoje tive a prova de que eu sou muita forte a falar Chinês!  Então mando eu um e-mail para a segurança social a expor uma situação em que me estão a querer cobrar um valor indevido referente ao mês de Dezembro do ano passado e a pedir para regularizar a situação o quanto antes (explicando detalhadamente tudo) quando me respondem o seguinte: para além de citarem meia dúzia de artigos que o comum dos mortais não sabe o que significa, dizem para eu mandar o comprovativo de pagamento do mês de Dezembro de 2017 (já nem estou a ligar a este erro porque é mínimo e percebe-se perfeitamente que foi uma falha ao escrever) para poderem verificar o que se está a passar com a minha situação. Ora então vamos por partes: se eu estou a reclamar que me estão a pedir para pagar algo que (no meu entender) eu não devo pagar e ex…

Desabafos laborais

Ir de propósito a outra cidade por uma consulta, fazer 23 km para cada lado e o cliente não aparecer, não avisar sequer que não vem e não atender o telemóvel quando se lhe liga (duas vezes) a tentar perceber o que se passa é no mínimo... nem sei bem como classificar esta atitude. Pior é que este individuo já repetiu esta "brincadeirinha" quatro vezes!  E pronto, cheguei ao meu limite de paciência e tolerância. Psicólogo também explode, também se irrita, diz palavrões e assume a existência de "casos perdidos". E este é um deles, não volto a marcar mais consultas com uma pessoa que não está comprometida em resolver problemas, em mudar, em alterar padrões!

IRS

Aquele assunto chato que sabes que te vai deixar mal disposta porque, como trabalhadora independente todos os anos pagas uma pequena fortuna atendendo à miséria que ganhas. 
Pior mesmo só quando a contabilista me diz "o valor que tu faturas por ano, se fosse um contrato por conta de outrem, aquilo que vais pagar era aquilo que irias receber". É sempre bom saber que, para além de não ter direito a nada como trabalhadora independente, sou novamente penalizada na hora de fazer o IRS.
E pronto, por esta altura do ano costumo andar assim, na azia por causa do IRS! (e eu ainda não fiz o IRS deste ano, mas já estou a antecipar o cenário)
Anda uma pessoa a tentar poupar uns trocos o ano todo para depois chegar a esta altura do ano e levar com um balde de água fria.

A Dory que há em mim

A Sara Carbonero disse recentemente que voltou a estudar mas que se sente uma Dory e que está a ter dificuldade em memorizar as coisas. Que isto de estar na casa dos trinta que não a tem ajudado muito e que a memória já não é o que era.  Quanto ás dificuldades da Sara Carbonero não sei, mas quanto às minhas posso dizer-vos que dou por mim a ir ao computador para fazer algo em específico e quando finalmente o ligo já nem me lembro porque é que o liguei e já estou a fazer outra coisa. Dou por mim a abrir uma página nova no computador, receber entretanto um telefonema e quando desligo, olho para a página e já não me lembro o que ia fazer. Dou por mim a dizer em surdina "A seguir vou fazer isto" e quando chega o "a seguir" sei que tinha de fazer alguma coisa mas já não me lembro o quê. Isto da idade é tramado. Ou então é só a mania de querer fazer mil coisas em simultâneo e depois não se dá conta do recado.

New in

Mala para portátil Zara
A minha mala deu as últimas já no final do ano passado, depois de 6 anos de muuuito uso. Desde então tenho andado com uma "provisória" que estava perdida cá por casa mas que não me agrada de todo!  Desde então tenho andado à procura mas ou são muito caras, ou são pequenas e não cabem o portátil com que ando agora e que na maioria dos dias anda comigo, ou então tem poucos compartimentos, ou são num material estranho (foleiro!) e por isso até agora ainda não tinha comprado nada. Até que esta semana encontrei esta no site da Zara e não pensei duas vezes em mandar vir (ainda por cima em saldo!). Só espero que o meu portátil caiba bem nesta mala porque embora na descrição diga que é para pc´s de 15 polegadas já experimentei umas tantas malas com a mesma descrição e que era preciso quase andar à porrada com a mala para conseguir enfiar o pc lá dentro!

Os estagiários - parte II

Achava eu que o episódio com uma das "minhas" estagiárias tinha ficado resolvido mas afinal não. Depois de a ter chamado à atenção pelos erros que não corrigiu decidiu fazer birra e não falar comigo. Nem "bom dia" me diz. Só fala comigo o obrigatório para o trabalho a desempenhar. 
Digam-me lá se o comportamento humano não é uma coisa fantástica? Isso e o facto de as pessoas estarem a fazer um estágio para aprender um ofício e não gostarem efetivamente de aprender nem de corrigir os seus erros...

Os estagiários

Trabalhar com estagiários é ter respostas disparatadas quando os chamamos à atenção de algum erro. Esta semana chamei a atenção uma estagiária porque o relatório que me tinha enviado estava cheio de erros, e não eram erros de falta de experiência (porque esses eu compreendo perfeitamente e sou muito tolerante quanto a isso. Todos passamos pelo mesmo e eu já estive no lugar delas) mas eram erros de falta de atenção e concentração (e isso eu não admito quando são sistemáticos). Tendo em conta que estes relatórios muitas vezes influenciam a vida das pessoas, todo o rigor é pouco. Quando a chamei a atenção sobre esse facto desculpa-se com a frase "Mas esse relatório não era a versão final!". Como? Envia-me um relatório com um sem número de páginas, todo mal escrito e depois de eu gastar um dia inteiro à volta daquilo a tentar pôr aquilo minimamente apresentável (teria tido menos trabalho se apagasse tudo e voltasse a escrever de novo, mas elas estão num processo de aprendizagem…

Procastinar

Aquilo que eu melhor sei fazer quando tenho mesmo de fazer um trabalho chatinho e lá fora está um dia maravilhoso de sol. E eu sei que tenho de fazer este trabalho... mas não me apetece nada... mas tem mesmo de ser... mas eu não quero! E é isto, estou em negação desde manhã. Ao fim do almoço vai ter de ser, nem que me prenda a uma cadeira com uma corda e o computador à frente numa espécie de tortura mental!

Tempo... ou a falta dele...

Sabem aquelas alturas em que vocês para conseguirem fazer tudo o que querem, para conseguir estar com todas as pessoas que querem, para poder fazer o vosso trabalho com profissionalismo e para não abdicar do tempo de lazer roubam tempo à cama e depois andam a cair de sono o dia todo e a sonhar com a hora de se estenderem na cama? Deitarem-se e saber que, muitas das vezes, em menos de 5 horas estão novamente a pé? Estou nessa fase, de muito bem com a vida mas de muito mal com a cama. Precisava de tirar uns dias para fazer rigorosamente nada. Nem consigo apreciar como deve ser esta época de Natal, as luzes, as cores, as músicas desta época. Ainda nem tive tempo sequer de ir ver a árvore de Natal da minha cidade. Mas dou graças a todos os santinhos por já ter despachado as prendas todas de Natal e não ter um colapso nervoso só de pensar em enfiar-me num centro comercial nos próximos dias.

Quando se faz o que se gosta é mais fácil continuar o caminho

E de repente, a segunda-feira começou colorida. Abrir o e-mail e ter lá uma boa notícia deixou-me cheia de energia. Saber que o nosso trabalho e dedicação são reconhecidos e trazem os seus frutos, contrariar o desânimo que às vezes se instala pela falta de trabalho em algumas alturas do ano é uma sensação incrível. Saber que há uma grande probabilidade de voltar a poder fazer aquilo que mais prazer me deu até hoje a nível profissional é uma sensação do caraças!

E eu que não gostava do mês de Outubro, este está a ser particularmente interessante. Quase que peço para que ele não acabe já. Por enquanto é cruzar os dedos e ficar à espera de saber mais pormenores, mas pelo menos há alguma coisa em cima da mesa. 
Boa semana para todos!

Vergonha alheia

Vergonha alheia foi o que eu senti esta semana quando estava a dinamizar uma dinâmica de grupo numa turma de adultos, que tinha como objetivo a apresentação dos formandos e eis que uma das formandas se vira para uma outra e assim do nada lhe pergunta:
Formanda 1: Está grávida de quanto tempo? Formanda 2: Como? Formanda 1: De quantos meses é que está grávida? Formanda 2 (estupfata com a pergunta...): Eu não estou grávida...
[silêncio]
Pois... a formanda (2) só tem a barriga grande (bastante grande) mas não está grávida. A formanda (2) já tem uma idade na qual já não é costume as mulheres engravidarem e mesmo assim, logo num primeiro contacto a outra perguntou-lhe de quantos meses é que estava grávida...
É por estes e por outras que eu raramente faço este tipo de perguntas às pessoas. Ou a barriga é uma coisa muito óbvia e percebe-se logo que é uma gravidez ou então não digo nada.

Objeto de desejo da semana

A minha pasta de trabalho deu as últimas. Primeiro foi o fecho que deixou de funcionar, depois foi a alça que rebentou. Para a pasta que era (e para o que me custou) até teve uma vida longa e acompanhou-me ao longo de 6 anos. Era prática e cabia muita coisa (portátil, fios, dossiers, agenda, porta-lápis, garrafa de água, comida/lanches e mais tralha que me lembrasse de lá meter). Mas já não dá mais para andar com ela...  Estes últimos dias tenho andado, em modo provisório, com a da minha irmã, mas tenho rapidamente de comprar uma nova (até porque ela recomeça em breve as aulas e vai precisar da dela). Numa vista (muito) rápida pelos sites das lojas do costume esbarrei nestas duas que me encheram as medidas. O curioso é que são ambas da secção de Homem... Mas eu adoro ambas e isso nunca será, certamente, um impedimento para mim! Entretanto tenho de fazer uma procura menos superficial já que a pasta me acompanhará em (quase) todos os dias de trabalho e convém, para além de ter pinta, s…

Raciocínio de criança

Estava eu um dia destes em consulta com uma criança de nove anos e para uma atividade que estávamos a fazer, pergunto-lhe o nome das pessoas que faziam parte da sua família mais próxima. Ela lá começa a enumerar os nomes e no meio de tantos nomes próprios diz-me "Tia Graça". Eu digo que só quero mesmo o nome, e por isso que escreva na folha que tinha à frente apenas Graça ao que ela me responde: "mas a minha tia chama-se mesmo Tia Graça, é o nome dela!". Eu lá lhe explico numa linguagem própria para a idade que certamente o nome dela será só Graça e que tia é o grau de parentesco, tal como é pai, irmão, primo ou avó, mas ela insiste: - Não! Ela chama-se mesmo Tia Graça! Se não fosse esse o nome dela porque é que os meus pais me disseram que eu tinha de lhe chamar Tia Graça? E se não fosse esse o nome dela porque é que ela me responde quando eu a chamo de Tia Graça? Eu chamo-lhe Tia Graça desde que nasci, esse é o nome dela! E pronto, com tamanho argumento quem pas…

Portugueses pelo munho

Recomeça hoje um dos programas que eu mais gosto de ver na nossa televisão. Um programa que me faz admirar aquelas pessoas mesmo sem as conhecer de lado nenhum, um programa que me deixa sempre com o bichinho de ir conhecer o mundo, o programa que me confirma que em cada canto do mundo há sempre um Português. Por outro lado é também o programa que me faz lembrar daqueles que tiveram de ir para fora e para muito longe na maioria das vezes para conseguir aquilo que no nosso país não conseguem - a realização profissional. Ou em muitos casos apenas para arranjar um trabalho porque no nosso país não encontraram a resposta para os seus sonhos. Recomeça hoje o programa "Portugueses pelo mundo" (na RTP1) e eu vou estar colada à frente da televisão para ver.

Como começar a semana logo a hiperventilar

Aperceber-me que me trocaram as datas de uma formação que irei ser eu a dar sem me consultarem e tudo para ser mais conveniente a outra formadora que não pode no dia que lhe competia. Fico possessa com estas merdas e com a falta de ética no trabalho.

Não são só as pessoas...

O tempo também é bipolar!
E como estou por casa sem trabalhar, diria que está mesmo o tempo ideal para me esparramar no sofá a ver filmes e séries a tarde toda. E antes que me comecem a insultar, apenas estou a olhar para "o copo meio cheio" e ver o lado positivo de estar com pouco trabalho em Janeiro.

Instagram

Blogs que leio