Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens com a etiqueta felicidade

É sempre a andar

Quem diz que os fins-de-semana servem para descansar é porque não tem vida social. Ou então eu nestes últimos tempos é que tenho uma vida social muito violenta! Já há mais de um mês que chego à segunda-feira mais cansada do que a maioria das pessoas chega à sexta-feira depois de uma semana de trabalho. E se por um lado adoro estes fins-de-semana super preenchidos, cheios de planos e coisas para fazer, por outro chego a sonhar com uma tarde ou um serão sem nada marcado, só para poder ficar estendida no sofá. Ninguém me obriga a andar sempre de roda no ar mas na hora H não consigo dizer que não a um bom programa. E se por um lado isto é cansativo, por outro lado estes fins-de-semana preenchem-me a alma. Aquelas pessoas que andam o ano todo à espera das férias para poderem aproveitar as 24 horas do dia, aquelas pessoas que nem no Verão se permitem deitar mais tarde com o pretexto da segunda-feira  de trabalho que está à porta, aquelas pessoas que dizem que à sexta-feira tem de ficar em …

Casablanca

Está escolhido o próximo destino! Desta vez somos seis pessoas a aventurarem-se pelo continente africano. E é já daqui a dois meses. 
Em pulgas para ir conhecer uma cultura tão diferente da nossa e de tudo aquilo que já visitei. Super curiosa para sair do conforto do conhecido e partir à descoberta.  Quem já foi? O que é que é obrigatório visitar em Casablanca? Deixem-me dicas do que fazer e (sobretudo) do que não fazer para que esta viagem seja memorável.

B-Day

E por aqui já se entrou nos 31. Um dia preenchido e na companhia da família, com muita comidinha boa como se quer nestas alturas, muitas prendinhas e... sem voz! E a falta que a voz faz num dia destes. Bem, a voz faz sempre falta mas neste dia em que somos um bocado o centro das atenções faz ainda mais. Desde não poder atender as inúmeras chamadas que me fizeram porque simplesmente não dava para eu falar ou agradecer às pessoas a chamada até estar no almoço e querer entrar nas conversas mas quase ninguém se aperceber disso, foi um sem número de situações bizarras. Uma pessoa sente-se dependente e obrigada a muito contacto físico para se fazer "ouvir".
Não sei se isto de estar sem voz será um sinal ou uma pista qualquer do além para o ano que se principia mas está-me a querer parecer que é o divino a avisar-me para fazer mais uso dos ouvidos e menos da boca, que assim como quem não quer a coisa sempre são menos chatices para uma pessoa e os outros também deixam de me chatear…

Despedida de solteira (sem voz)

Estes últimos dias é sempre roda no ar. É despedida de soletira de uma amiga de curso, é o casamento dessa amiga, é festejos do Benfica, é festejos da Eurovisão, é jantares de amigos, é despedida de solteira de outra amiga, é mais outro casamento dessa outra amiga, mais aniversários... Até fico cansada só de enumerar.
Hoje há mais uma despedida de solteira e eu vou em versão afónica. E não foi dos festejos do Benfica. Até podia ter sido mas nesse dia estava num casamento e tive de ser comedida a extravasar a alegria que só Benfiquista compreende. 
Ontem comecei a ficar rouca e hoje estou sem voz e só vos digo que tem sido um sem número de situações caricatas. Sou eu a querer repreender algum dos meus cães porque estão a fazer asneira mas eles não me ouvem. São as pessoas que me ligam e mal me percebem porque eu só consigo grunhir uns barulhos estranhos. É eu ir a casa de um familiar, tocar à campainha e quando me perguntam quem é tive de fazer um esforço monumental para conseguir faz…

2 semanas de Benny

E faz hoje duas semanas que cá em casa passou a haver mais um inquilino, um novo morador de quatro patas que veio trazer mais animação aos nossos dias. Veio para cá ainda muito pequenino, pouco mais de um mês de vida e conquistou-me logo.
Foi uma prenda de aniversário antecipada do meu tio mais novo, que sabe a minha adoração por cães e que, apesar de saber que a minha mãe (irmã dele) não queria mais nenhum cão em casa e que não gosta de cães, presenteou-me com este pedaço de doçura andante. Com a condição de ele ficar com ele caso cá em casa não pudesse ficar, um dia após o outro foi ficando, e ficando... até que ficou de vez. Já posso dizer que é o meu cão, o meu Benny. E até o nome foi difícil escolher, porque tinha de ser um nome que os quatro cá em casa gostassem (pronto, eu cedi às minhas opções iniciais, mas para ter este menino cá em casa até Bruno de Carvalho eu lhe chamava se fosse preciso).
A uma semana de fazer 2 meses de idade e depois de duas semanas cá em casa o Benny …

Mas qual será, mas qual será, mas qual será o nome do animal?

Parece que já é definitiva a decisão do canídeo ficar cá por casa a fazer companhia ao meu Boguinhas, que está a um mês e pouco de fazer 14 anos de idade. Acho que o charme e fofura dele conseguiram convencer até os mais céticos (e olhem que eu não conhece muita gente pior do que a minha mãe no que toca a não gostar de cães e gatos).  Agora só falta escolher o nome. Para já tenho dois em mente: Sushi e Sherlock mas ainda não me decidi nem estou totalmente convencida com nenhum dos dois por isso, aceito todas as sugestões de nomes para me ajudarem a dar nome ao novo membro da família. Vamos lá a opiniões e votações! Agora percebo o porquê da minha avó chamar BchBchBch a uma das gatas dela. De facto, escolher nomes para animais não é assim tão fácil.



Há manhãs de segunda-feira muito difíceis

A minha companhia nesta segunda-feira a trabalhar por casa. Eu trabalho e ele dorme. Sempre ouvi dizer que cada um tem o que merece...
Agora só falta convencer o pessoal cá de casa a adotar esta fofura para fazer companhia ao meu Boguinhas (#masnãoestáfácil).

O meu estômago bate palminhas

Finalmente encontrei as stroopwaffles! yeahhhhhhhh
Após entrar em nove estabelecimentos comerciais de propósito à procura destas bolachas, depois de ter posto uma amiga em alerta à procura destas bolachas, depois de ter posto o namorado e a irmã na internet a fazer pesquisas à procura, encontrei um único pacote perdido nas prateleiras do Continente. Já tinha ido àquele continente na semana anterior e nada de bolachas mas desta vez encontrei um único pacote ao qual me amarrei logo como se fosse a última coca-cola no deserto! 
Não sei o que me levou a entrar novamente naquele hipermercado; já lá tinha estado e inclusive, a funcionária a quem pedi ajuda na altura disse-me que nunca tinha visto sequer aquelas bolachas e nem tinham em armazém, por isso possivelmente era produto descontinuado. Mas a persistência (e a gula) levaram-me a não desistir.


PS: Estas bolachas do Continente não são tãaaaao boas como as que comi na Holanda mas ficam lá perto. E entre ir novamente à Holanda buscar bol…

Fora por uns dias

Para conhecer mais uma nova cidade.
Feeeeerias!

A uma semana de conhecer mais uma cidade

Já falta pouco!
Em pulgas para ir conhecer a terra das tulipas, das bicicletas, dos muffins de erva, de Red Light district, das panquecas e da tarte de maçã, das pontes e dos canais e de mais uma série de coisas que espero vir a descobrir.

Ano Novo

Antes de mais, votos de um feliz 2017 para tod@s. Que tal como o ano ímpar que se inicia, este seja um ano único cheio de coisas boas.

Contrariamente a todas as pessoas que já fizeram o balanço do ano velho e traçaram objetivos para o novo ano, só hoje tive tempo de parar para refletir sobre o ano que findou. E tal como em anos anteriores, prefiro destacar o que de bom teve. Do mau não reza a história, pelo menos a minha história. E foi um ano que teve muitas coisas boas.
Foi o ano em que tive a oportunidade de ter novamente por perto uma grande amiga de infância e que, até então, por circunstâncias da vida, embora morássemos perto não estávamos presentes na vida uma da outra.Foi o ano em que vi outra grande amiga de infância dizer o sim no altar.Abandonei o ginásio mas comecei a correr, coisa que até então nunca me imaginei a fazer. O inicio não foi fácil, depois fiz uma festa quando consegui correr 5km sem parar e depois foi sempre a superar-me até que consegui correr os meus primei…

Jantares de Natal

E queixava-me eu que os almoços e jantares de Natal eram mais do que muitos. Nem eu sabia o que me esperava esta semana...  Hoje é o único dia desta semana em que janto em casa. Segunda-feira mal tive tempo de jantar, ontem jantar de despedida da amiga que mora em Paris e que veio passar o Natal a Portugal, amanhã jantar de aniversário de outro amigo, sexta-feira jantar de inauguração da nova casa de outro casal amigo e sábado é passagem de ano e aniversário da minha irmã. Ainda bem que a balança cá de casa avariou (já quase à dois meses mas eu não lhe dou muita confiança)!

Viajar, viajar, viajar

Por aqui já se pensa em qual será o próximo destino de férias do próximo ano. O país já está escolhido, as cidades possíveis também já estão pensadas (só falta decidir se vamos mais para este ou para oeste), o mês também, agora é esperar para ver se dá para conciliar a agenda de 6 pessoas para conseguirmos ir todos juntos. E se conseguirmos vai ser tão bom. Uma viagem com pessoas que tanto gosto, pessoas bem dispostas, pessoas tão diferentes mas com um gosto tão comum: viajar. E eu, para além do Natal, já só penso na próxima viagem.

Halloween

Por estes lados está-se a ultimar os preparativos para a noite mais assustadora do ano. Bendita irmã que eu tenho que é muito prendada e me faz as pinturas faciais sem eu precisar de sair de casa (liguei para a uma loja de cosmética/beauty muito conhecida de todas, de um centro comercial perto de minha casa para ver se faziam esse serviço e era por ordem de chegada e isso para mim não dá. Lido mal com situações onde não controlo as horas). Por isso é mesmo a minha irmã que vai tratar de tudo: maquilhagem e cabelo.
Para quem está a ler isto e não se identifica nada com esta festa, para quem até acha mal que nós Portugueses nos apropriemos de uma festividade que não é nossa deixem-me que vos diga que também eu já estive desse lado. Que também eu não ligava nada e achava até um pouco estúpido festejarmos o Halloween, uma espécie de Carnaval em Novembro (às vezes ainda continuo a achar mas pronto...). Se encontrarem um grupo animado de pessoas, que apenas usa o Halloween como mais pretex…

Quando se faz o que se gosta é mais fácil continuar o caminho

E de repente, a segunda-feira começou colorida. Abrir o e-mail e ter lá uma boa notícia deixou-me cheia de energia. Saber que o nosso trabalho e dedicação são reconhecidos e trazem os seus frutos, contrariar o desânimo que às vezes se instala pela falta de trabalho em algumas alturas do ano é uma sensação incrível. Saber que há uma grande probabilidade de voltar a poder fazer aquilo que mais prazer me deu até hoje a nível profissional é uma sensação do caraças!

E eu que não gostava do mês de Outubro, este está a ser particularmente interessante. Quase que peço para que ele não acabe já. Por enquanto é cruzar os dedos e ficar à espera de saber mais pormenores, mas pelo menos há alguma coisa em cima da mesa. 
Boa semana para todos!

Afinal o Outubro pode ser colorido

Não gosto do mês de Outubro, nunca gostei... É o mês em que dizemos definitivamente adeus ao sol quente, o mês em que muda a hora, o mês em que não sabemos que roupa vestir porque de manhã está frio, durante o dia um calor de ananases e à noite gelo, o mês em que os dias já são curtos, as noites frias e as árvores ficam como galinhas depenadas sem folha nenhuma! Mas este ano o início de Outubro foi bom, foi exageradamente bom. Sem que eu estivesse a contar, aquela amiga do coração que me conhece quase desde sempre mas que está a morar em Paris tocou-me à campainha e apareceu-me à porta! E eu... bem, eu fiquei estacada, sem reacção. É que isto da idade também nos torna mais lentas nas reacções e com a vista afectada (não sei porquê mas os tramados dos olhos agora ficam lacrimejosos com facilidade). Tinha falado com ela no dia anterior e era suposto ela estar em Paris. Era suposto só a ver no final do ano. Era suposto ela neste fim-de-semana estar a desfazer as malas depois de três mes…

Memórias de infância

Outro dia, enquanto fazia zapping na televisão, vi-me obrigada a parar na RTP Memória. Um canal que eu raramente assisto, até porque não gosto muito de ver programas repetidos mas nesse instante vi-me quase que obrigada a parar. O meu inconsciente mandou mais do que eu e não mudei de canal. E fiquei ali mais de meia hora a ver E porquê? Porque estava a passar a repetição dos Jogos Sem-fronteiras (vénias pare este programa "faxfabor"). 
E como aquele programa me fez feliz na minha infância. Eu delirava com aquilo. Lembro-me perfeitamente de eu, o meu tio mais novo (que é apenas cinco anos mais velho do que eu) e dois primos pararmos para ver esse programa, de as nossas brincadeiras serem autênticas simulações dos jogos sem-fronteiras (não sei como nunca parti uma perna ou rachei a cabeça) e ainda por cima Portugal era bom naquilo. Que entusiasmo! Numa altura em que a opção de programas para ver era pouquíssima, aquele programa deixava-me verdadeiramente feliz, em contagem de…

Eu em versão tripadvisor

Em conversa com uma amiga que vai passar uns dias com o marido para o sossego de Chaves começo eu a sugerir lugares para ir enquanto lá estiver - onde ir comer os melhores pastéis de Chaves, onde ir jantar, o que visitar e mais não sei o quê. Observação dela face ao meu entusiasmo e às minhas dicas "tu e a comida... és um bom tripadvisor". De facto adoro conhecer outras cidades, adoro igualmente conhecer os restaurantes e a gastronomia dessas cidades, os roteiros e os pontos de referência... aproveitar ao máximo aquilo que eu não conheço.  Se eu fosse assim muito, muito muito rica fazia vida só a viajar. Não ter morada, só carimbos no passaporte, sempre de um lado para o outro, tipo formiguinha a meter-se em tudo o que é buraquinho para descobrir a novidade. E a comer, a comer muito bem tudo o que ainda não provei, tudo o que nem imagino sequer existir. Como eu era feliz assim.

Notícias felizes

Começar o dia com uma boa notícia... que excelente forma de começar o dia! Em Maio há casamento de dois grandes amigos.  E eu fiquei super feliz por ambos.
Fiquei depois de perceber o que me estavam a tentar dizer. Acordo com um vídeo no telemóvel e, ainda ensonada, com um olho aberto e outro fechado lá abri o vídeo. Não percebi logo o que me estavam a tentar dizer. Um vídeo amoroso, de ambos muito felizes, a passear na natureza, muito cúmplices, muitos sorrisos... Ainda pensei "será que há bebé a caminho" ou "estão a tentar dizer que vão morar juntos"? Não raciocinei logo até que no fim do vídeo aparecia uma frase. Mas como ainda estava ensonada (e os neurónios a dormir ainda) lá tive de ir buscar o portátil para ver em ponto grande e aí percebi logo. E fiquei muito feliz por ambos.

Dos amigos que são família

E sem estar a contar eis que ganhei um novo afilhado. Quatorze anos depois de ter o meu primeiro afilhado (e primo) segue-se o segundo, desta vez filho de um casal amigo. Um convite ao qual eu não estava mesmo nada a contar mas que me deixou muito feliz.
Mas vou confessar-vos uma coisa: mesmo já com dois afilhados adorava ter uma menina afilhada. Não sei porquê mas é diferente a relação de uma menina com a madrinha. É uma relação mais próxima, mais cúmplice e mais cor-de-rosa. Mas se isso não acontecer, fico já realizada com os meus dois meninos  e mais uma afilhada emprestada (afilhada da minha irmã) que considero um pouco minha e que é um amor. Adorámo-nos de paixão uma à outra, estamos constantemente juntas, temos as nossas brincadeiras, as nossas conversas, os nossos joguinhos e os nossos passeios. 

Instagram

Blogs que leio