Avançar para o conteúdo principal

O humor negro da minha mãe (ou então: a vida de estudante aos olhos de uma mãe)



A minha irmã está a tirar mestrado em Engenharia Informática e está a passar por uma fase de muito trabalho. Tem um trabalho de grupo para entregar amanhã e esta semana basicamente só põe os pés em casa para dormir e tomar banho. O resto do tempo tem estado na universidade a trabalhar para o dito trabalho mais os colegas do grupo.
Um destes dias, perto da hora do jantar liga para a minha mãe a dizer que o trabalho ainda estava atrasado e que ia chegar mais tarde a casa. Perante tal telefonema só oiço a minha mãe a dizer-lhe "Juízo!". Se isto já me teria soado estranho por si só, mais estranho foi a entoação com que o disse. Fez-lo com a mesma entoação que diria caso a minha irmã lhe tivesse dito "Hoje vou sair à noite, vou prós copos com os amigos e não sei a que horas chego a casa!". Definitivamente a minha mãe não faz a mínima ideia do que é um trabalho de grupo, onde estão quatro ou cinco pessoas enfiadas numa das salas da biblioteca, cheios de computadores  e folhas à volta, com um ar de quem não vai à cama à três dias, já todos descabelados e com cara de poucos amigos. Se tivesse noção não era "Juízo" que diria mas sim "Boa sorte" ou então "Afasta-te das janelas altas e afasta os objetos cortantes!".
A minha mãe disse "Juízo!" com a mesma entoação de quem está a alertar alguém para não chegar ao fim da noite inconsciente e com as ideias turvas pelo excesso de álcool. Está bem que às vezes se fazem trabalhos na universidade sem termos muita consciência daquilo que estamos para ali a fazer e com as ideias bem turvas (e nem sequer se bebeu álcool), mas eu não conhecia tal ironia por parte da minha mãe por isso desconfio que ela não saiba o que significa ficar até às tantas a tentar acabar um trabalho de grupo para o entregar a tempo e horas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O (meu) casaco perfeito

Já há muuuuito que andava atrás de um casaco compridão, daqueles que só se vê mesmo um bocadinho da perna mas estava difícil encontrar: ou não gostava do modelo (a maioria pareciam sacos de batatas de tão largos que eram), ou na gostava do tecido, ou era a cor, ou era o corte... havia sempre qualquer coisa. Até que no passado fim-de-semana, numa ida relâmpago ao outlet de Vila do Conde bati de caras com este sobretudo (na loja Pull&Bear)  e nunca mais o larguei. Era exactamente este modelo que eu queria, esta fazenda, a cor, com forro, e melhor que tudo... custou 10€! Digam lá se eu não sou boa a fazer achados! Não é todos os dias que se encontra o sobretudo perfeito ao preço da chuva!

O meu novo melhor amigo desde que tenho um cão dentro de casa

De há uns meses para cá, eu e este objeto temos sido grandes amigos. Amigos ao ponto de ponderar começar a andar com ele na bolsa atrás de mim, sobretudo quando ando com roupas escuras. Por mais que eu passe o rolo na roupa antes de sair de casa, há sempre um ou outro pêlo do sr. Benny mais resistente que fica... e eu que não gosto nada de ver roupa com pêlos!!!

Bad Genius

Para fugir um pouco aos filmes ditos "comerciais", optei por este filme tailandês, para ocupar uma manhã em que a pestana abriu duas horas antes do despertador tocar. Comecei sem qualquer expectativa a ver o filme e mais com aquela ideia de "é só para ocupar o tempo até serem horas de me levantar" e acabei por gostar bastante do filme. Quando fui, por curiosidade, ver a classificação no IMDB percebi que não fui só eu a gostar do filme (7.8 em 10 é muito bom!).
Baseado em factos verídicos, conta a história de uma jovem sobredotada que, em conjunto com outros colegas e sobretudo com o seu rival, monta um esquema para copiar nos testes e nos exames de acesso à universidade, ao ponto de ganhar uma pipa de massa com esse esquema. Para quem quiser saber mais pode ver aqui.

Instagram

Blogs que leio