Avançar para o conteúdo principal

O problema não és "tu" sou eu...

A semana passada fui a Mondim de Basto passar a tarde. Para quem me conhece, a pergunta óbvia seria "o que foste tu fazer para um sítio tão calmo e sossegado?!". Regra geral não gosto de sítios pacatos. Sítios onde o tempo demora a passar a mim põe-me com os nervos à flor da pele. Não fui feita para ser zen, com muita pena minha. 
Uma coisa é ir passar um fim-de-semana a um sítio calmo, mas saber que nas redondezas próximas há coisas para fazer, há movimento, há distração e que depois volto a casa, à agitação do costume. Ou estar num hotel no meio do nada mas com todas as comodidades e regalias e passar o dia entre o spa, a cama ou a piscina a repor energias para depois voltar à carga. Ou ir para um sítio calmo mas com um grupo de amigos, um grupo animado e cheio de energia que faz com que não hajam horas mortas ou marasmo. Isso é uma coisa, agora estar num sítio onde constantemente se ouve o silêncio a mim incomoda-me. Durante um par de horas até gosto mas depois de tudo visto vem a pergunta "e agora, o que vou fazer? O que é que há para fazer/ver mais?". Estradas vazias, ruas sem pessoas, estabelecimentos fechados... a mim deixam-me agitada. Parece um paradoxo mas é verdade. Deixam-me numa agitação interior que me leva ao nervosismo. 
Depois dou por mim a pensar "e se eu morasse aqui?" e chego sempre à mesma conclusão: ou tinha nascido aí e estava habituada ou então não aguentaria muito tempo em sítios assim. Sítios que não tem cinema, shoppings cheios de lojas, hipermercados com as prateleiras cheias de diversidade, ruas cheias de pessoas, restaurantes abertos até tarde, hospitais perto, cadeias de fast-food, festas nas noites de Verão, festivais de música, estádios de futebol... não são sítios para mim. Há uma série de coisas que a mim me dizem muito, que me fazem falta.
Não estou a dizer que as cidades agitadas sejam melhores, muito pelo contrário! Há coisas que eu dispensava bem: o trânsito caótico, o estacionamento impossível, os parquímetros caríssimos, a distância entre as pessoas, a falta de civismo nas ruas, as filas nos supermercados, o não sentir o "ar puro" para respirar, a falta de tempo para estar com as pessoas e mais uma lista enorme que teria para apresentar.
Mas mesmo assim, prefiro as cidades agitadas. Não é por serem melhores, eu é que fui habituada à confusão e já não sei ser de outra forma.











Fotos tiradas por mim (telemóvel), em Mondim de Basto.

Comentários

  1. Eu percebo te, também sou assim. É impensável para mim viver num sítio desses. Sinceramente nem sei como as pessoas conseguem.
    Mas não deixa de ser bonito.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Em março fui passar um fim de semana a Mondim de Bastos. Gostei imenso do sossego, apanhámos bom tempo felizmente e deu para descansar. Se gostava de lá viver? Não. Gosto imenso do sítio onde moro e acho que não o trocava por nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há sítios que são muito bonitos mas não aos nossos olhos, pelo menos de forma permanente e para viver. Mas isso não significa que não sejam bonitos. Para outras pessoas...

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O (meu) casaco perfeito

Já há muuuuito que andava atrás de um casaco compridão, daqueles que só se vê mesmo um bocadinho da perna mas estava difícil encontrar: ou não gostava do modelo (a maioria pareciam sacos de batatas de tão largos que eram), ou na gostava do tecido, ou era a cor, ou era o corte... havia sempre qualquer coisa. Até que no passado fim-de-semana, numa ida relâmpago ao outlet de Vila do Conde bati de caras com este sobretudo (na loja Pull&Bear)  e nunca mais o larguei. Era exactamente este modelo que eu queria, esta fazenda, a cor, com forro, e melhor que tudo... custou 10€! Digam lá se eu não sou boa a fazer achados! Não é todos os dias que se encontra o sobretudo perfeito ao preço da chuva!

O meu novo melhor amigo desde que tenho um cão dentro de casa

De há uns meses para cá, eu e este objeto temos sido grandes amigos. Amigos ao ponto de ponderar começar a andar com ele na bolsa atrás de mim, sobretudo quando ando com roupas escuras. Por mais que eu passe o rolo na roupa antes de sair de casa, há sempre um ou outro pêlo do sr. Benny mais resistente que fica... e eu que não gosto nada de ver roupa com pêlos!!!

Bad Genius

Para fugir um pouco aos filmes ditos "comerciais", optei por este filme tailandês, para ocupar uma manhã em que a pestana abriu duas horas antes do despertador tocar. Comecei sem qualquer expectativa a ver o filme e mais com aquela ideia de "é só para ocupar o tempo até serem horas de me levantar" e acabei por gostar bastante do filme. Quando fui, por curiosidade, ver a classificação no IMDB percebi que não fui só eu a gostar do filme (7.8 em 10 é muito bom!).
Baseado em factos verídicos, conta a história de uma jovem sobredotada que, em conjunto com outros colegas e sobretudo com o seu rival, monta um esquema para copiar nos testes e nos exames de acesso à universidade, ao ponto de ganhar uma pipa de massa com esse esquema. Para quem quiser saber mais pode ver aqui.

Instagram

Blogs que leio