Avançar para o conteúdo principal

A polémica da viagem de finalistas

Como toda a gente já ouviu em trezentos e vinte e sete sítios diferentes, as viagens de finalistas típicas por esta altura do ano voltaram a dar confusão. Quanto aos motivos que estão na base destes comportamentos, aos padrões de educação de hoje em dia e mais uma série de questões sociológicas que se colocam não me vou pronunciar. Já muito foi dito sobre isso e eu não quero tornar este espaço um sítio chato, que obriga as pessoas ao final de um longo dia de trabalho a terem um raciocínio crítico sobre algo.
Apenas vou partilhar convosco o discurso de um jovem exibido ontem num dos jornais da noite, em que a mente iluminada proferiu orgulhosamente o seguinte discurso:

- "Já ando cá à 3 anos e sempre correu tudo bem"

Pois... se calhar o que não corre tão bem é tu já seres finalista à 3 anos consecutivos...

E posto isto, vou chorar um bocado, bater com a cabeça contra a parede e pensar porque é que eu não aproveitei a vida de estudante como deve ser. Se o tivesse feita, a esta altura ainda era estudante e não tinha de me preocupar com as coisas chatas da vida, tipo o IRS, as contas para pagar, as responsabilidades, os prazos para cumprir...



Comentários

  1. Não sou nenhuma santa, mas, certamente, se fosse meu filho já tinha ido trabalhar. Fiz a licenciatura nos 5 anos da altura. Os meus pais davam-me 6 para a fazer (admitiam que reprovasse um ano), caso contrário cortavam o financiamento.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

"Não fui eu"

E aos 6 meses, eis que o Sr. Benny se lembrou de aprontar das suas e fazer a sua primeira grande asneira dentro de casa. E o que é que ele se lembrou de fazer? Pois que devia estar entediado na sua vidinha de come-dorme-brinca-come-dorme-brinca que se lembrou de testar os dentes numa das pernas de madeira da mesa da cozinha!  O que me assusta agora não é a mesa da cozinha, é saber que os meses de frio e chuva estão a chegar, e ele vai passar grande parte do dia dentro de casa... E se até agora o deixava dentro de casa descansadinha da vida, sem me preocupar se ele iria ou não fazer alguma asneira, depois desta já não é bem assim... Sempre ouvi dizer que o que custa é a primeira vez: a primeira vez que arranhamos o carro novo, a primeira vez que deixamos cair o telemóvel ao chão, a primeira vez que o cão roí qualquer coisa dentro de casa... Mas eu prefiro não saber qual é a sensação uma segunda vez! Vou rezar ao santinho dos cães bem comportados e pedir que isto tenho sido uma vez sem…

Coincidência feliz e sorriso na cara

Coincidência feliz é eu estar a sair de um local de trabalho em direção a outro local de trabalho e pelo caminho, sem estar a contar e sem ser suposto, cruzar o meu carro com o carro do namorado, em plena estrada, e mandar-mos um beijinho um ao outro tal como fazem as crianças quando mandam um beijinho a alguém e sopram para que chegue a bom porto! E assim se fica com um sorriso parvo na cara e borboletas na barriga e a certeza de que tenho o homem certo ao meu lado.

Eu quero continuar a gostar de palhaços...

Namorado gosta de filmes de terror, eu não.  Namorado quer ir ver na próxima quinta-feira a estreia do filme It, eu não. Namorado negoceia dizendo que o próximo filme sou eu que escolho, eu continuo a dizer que não. Namorado diz que faz muita questão que eu vá com ele, eu não! Namorado chantageia-me com as pipocas, eu digo que não às pipocas. Namorado é persistente e eu começo a ficar sem argumentos...
Como é que eu faço perceber ao namorado que este tipo de filmes não é de todo a minha onda, que não gosto de ir para uma sala de cinema para estar sempre a saltar da cadeira ou a tapar a cara com as mãos, que não gosto de ir para casa em sobressalto e com as imagens do filme em loop na minha cabeça!
Preciso urgentemente de um bom argumento para me escapar deste massacre!
Eu quero continuar a gostar de palhaços e este filme, pelo que já fui vendo, não contribui muito para isso... Help me...

Instagram

Blogs que leio